SOCIEDADE

Governador do estado do RS "Dudu Milk", a superlotação de hospitais e o lockdown


Não bastou apenas fechar empresas, destruindo a economia do Rio Grande do Sul, gerando desemprego encaminhando o estado para a miséria! Agora Eduardo leite, o ditad..., digo, governador do RS quer decidir o que as pessoas podem ou não comprar.

Governador do estado do RS - Dudu Milk, a superlotação de hospitais e o lockdownE o argumento para isso é pra lá de ridículo! Na visão dele isso vai diminuir a circulação do vírus! E com a maior cara lavada diz que é para o “bem da população”.

Mas não é só isso! Dudu Milk também está impondo o uso de focinheiras (máscaras) em todo o RS, aplicando multa de R$ 2.000,00 para quem não a utilizar corretamente ou se negar a utilizar.

Quer mais? Como um ditador, impôs o fechamento de empresas que ele julga “não essenciais”, sendo que TODAS as empresas são essenciais, pois são a base do sustento das pessoas, para que possam pagar suas contas, comprar alimento e remédios. Para ele e para o bando de assessores que o cercam é fácil, pois os salários estão sempre em dia.

Uma pergunta que faço e que acredito que muita gente tem feito é como o governador conseguiu colocar a folha de pagamento do estado em dia, em plena pandemia. Qual é a mágica, já que a arrecadação deve estar despencando mês a mês? Será que está usando os 40 bilhões que vieram do Governo Federal para isso ao invés de investir na saúde?

Ficar com a imagem do governador que recuperou as finanças do Estado do RS em plena pandemia é muito bom para ser usado em campanha política, principalmente quando se quer ser candidato à Presidência da República.

Dudu Milk é mais um político tal como a grande maioria pertencente a esta casta. Só tem interesse pela sua carreira, pelo poder e pela grana fácil. Aliás, políticos nunca estiveram preocupados com a saúde e bem estar da população. E já que ele está preocupado com o colapso nos hospitais, vamos dar uma vasculhada no passado não muito distante do RS.

Notícia de janeiro de 2014:

Emergências lotam no RS

 

Notícia de agosto de 2016:

Principais emergências do SUS em Porto Alegre estão lotadas

 

Notícia de junho de 2017:

 Hospitais de Caxias do Sul com superlotação

 

Notícia de julho de 2012:

Emergências lotadas, pacientes revoltados

 

E mais....

Problemas na saúde do RS são recorrentes

 

Eu poderia listar muito mais aqui. Foquei minha pesquisa apenas no RS, mas este é um problema recorrente no Brasil inteiro. Pergunto: algum político já fez algo para solucionar o problema?

Mas além de não solucionar o problema da saúde, Dudu Milk vai “ao infinito e além”, quebrando o Estado e levando uma parcela enorme da população para a linha da miséria.

Ontem circulei pelas ruas de Porto Alegre. Deparei-me com um senhor pedindo dinheiro em uma sinaleira (termo gaúcho para semáforo). Ele não era um morador de rua. Estava desesperado para comprar alimento para levar para casa. Por outra rua que passei, vi um jovem que acampou com uma barraca iglu em uma calçada. Em uma rótula vi um cartaz feito em um pedaço de madeira velha onde um homem dizia estar desempregado e oferecia serviço de jardinagem. Isso está se multiplicando exponencialmente não só aqui no RS, mas também em todo o Brasil. É muito triste.

O negacionismo do governador do RS em relação ao tratamento precoce é por razões políticas

O vírus existe e pode ser letal, principalmente nos idosos. Ponto!

A superlotação nos hospitais ocorrem por pura incompetência de governadores como o Dudu Milk e o Doriana de São Paulo porque acreditam que a sua “ciência” é a única que existe, enquanto milhares de médicos e profissionais de saúde do mundo inteiro defendem o uso do tratamento precoce utilizando medicamentos antigos e de baixo custo como a Invermectina, Hidroxicloroquina e Azitromicina.

No Brasil, mais de dois mil médicos publicaram um manifesto em defesa do tratamento precoce. Mas os governadores metidos a ditadores e em conluio com a mídia os ignoram.

Veja mais sobre o tratamento precoce:

O prefeito eleito de Porto Alegre, Sebastião Melo começou a distribuir o que ele chamou de “Kit Covid” para tratamento precoce, mas os comunistinhas do PSOL, Pedro Ruas, Matheus Gomes, Karen Santos, Roberto Robaina, Alex Fraga, Luciana Genro e Fernanda Melchionna entraram com ação para impedir a distribuição dos medicamentos. Para essa gente, quanto pior, melhor e não poderia ser diferente!

Dudu Milk também desacredita o tratamento precoce. Escreve ele:

“Em função das fake news que se disseminam e da mentira que é oficialmente patrocinada pelo governo federal, com distorção de fatos, de dados e de informações, procurando gerar mais confusão na população, não bastasse já a confusão que o presidente da República gera ao defender tratamentos sem recomendação científica, confusão nas vacinas, agora, também faz sobre a aplicação de recursos. Ele insiste em dividir nossa população e gerar confusão. Lamento que tenhamos que usar parte do nosso tempo e da nossa energia que deveria estar focada no enfrentamento do vírus para enfrentar as mentiras, fake news, distorções, e que são levadas à população e que confundem a todos num momento em que deveríamos esclarecer”.

Como pode chamar de “fake news” medicamentos defendidos por médicos e que está sendo utilizado em outros países cara pálida? Desta forma, também posso te chamar de negacionista não é mesmo? E é exatamente por causa disso que os hospitais estão superlotados, pois quando o paciente chega, já está em estado crítico e precisa ir para a UTI. E o número de mortos continua a subir.

O tratamento precoce não é a cura. É para evitar ser intubado em uma UTI.

O tratamento precoce também é amplamente criticado pelo grupo RBS, mídia afiliada da #globolixo. O engraçado é que Nelson Sirotsky, o patrão deles foi diagnosticado com covid em 2020 e fez tratamento com cloroquina e azitromicina. Hipocrisia é pouco!

A batalha desta gente é política e não de combate à doença. Enquanto isso, os hospitais seguem lotados e pessoas continuam morrendo por causa do vírus chinês.

As vacinas são a solução?

A primeira observação que faço é a de que não existem vacinas contra o vírus chinês. Todas são experimentais e foram desenvolvidas em poucos meses. Isso significa que o mundo está sendo um grande laboratório para a indústria farmacêutica.

Políticos como Dudu Milk, governador do RS e o Doriana de SP, apoiados pela mídia, defendem vacinação em massa da população como a solução para problema. Afinal, eles tomam as decisões baseadas na “ciência”, mas na “ciência” que eles escolhem ou que lhes é conveniente.

Perceba que a mídia fala muito em “eficácia” das vacinas, mas quase nada na “segurança” das vacinas. Isso porque não há como saber o que esses medicamentos feitos às pressas poderão causar às pessoas daqui a um ano ou mais e também nas próximas gerações. Vacinas com novas tecnologias (mRNA) que nunca foram testadas em massa em seres humanos seguem sendo aplicadas em todo o mundo.

A história já tem exemplos de medicamentos feitos às pressas que causaram danos irreparáveis nas pessoas e nas gerações futuras, como o caso da talidomida, onde mais de 10.000 crianças nasceram defeituosas.

Além disso, existem livros escritos por médicos e especialistas que apresentam os males que vacinas podem causar:

O mais interessante e que convenientemente caiu no esquecimento da mídia, é a isenção de responsabilidades dos grandes laboratórios sobre os efeitos colaterais das vacinas experimentais. Os laboratórios chegaram a sugerir ao governo brasileiro a criação de um fundo para financiar ações judiciais contra os efeitos colaterais das vacinas. Em outras palavras, é como se os laboratórios dissessem “tome a vacina, se você morrer ou ficar com sequelas o problema não é nosso”.

E o que me chama a atenção é que grande parte da população está querendo desesperadamente tomar estas vacinas. Estas mesmas pessoas quando compram um celular e ele vem com defeito, exigem a garantia da troca do aparelho ou procuram o PROCON para buscar seus direitos. Mas estas mesmas pessoas não se importam em injetar vacinas experimentais no corpo, onde o fabricante se exime de qualquer responsabilidade. Dá para entender?

Talvez você não saiba, mas a Fundação Bill & Melinda Gates é o segundo maior doador de dinheiro para a OMS – Organização Mundial da Saúde. Em quinto lugar temos a GAVI, organização para o desenvolvimento de vacinas que tem como sócio fundador, adivinha quem? A Fundação Bill & Melinda Gates é claro!

Não é “teoria da conspiração”. Os links estão aí para quem quiser conferir!

Como dizem por aí, não existe almoço grátis! Ninguém investe tanta grana assim apenas por bondade, o que me leva a seguinte pergunta: as vacinas foram criadas para o vírus chinês ou será que o vírus chinês foi criado para as vacinas?

Aproveitando, se você quiser saber mais sobre quem é o Bill Gates, dá uma olhada neste documentário. Tenho certeza de que você não verá mais a pandemia e os pagamentos digitais da mesma forma.

A propósito, não sou contra vacinas. Sou contra o poder público obrigar as pessoas a tomarem.

Economia e saúde devem andar juntas. Lockdowns levarão à problemas de saúde bem maiores. Isso é fato!

 

O Administrador 

 

LEIA TAMBÉM

PUBLICIDADE

Para conquistar um mundo de covardes e pessoas que não gostam de pensar, basta remover a resistência.

Siga no Facebook  |   Contato
© Atividade Oculta

Pesquisar