SOCIEDADE

    Vacinas: a guerra de narrativas dos governos, da mídia e das grandes corporações contra a sociedade livre


    A demonização de pais e médicos esclarecidos, que criticam a “ciência” das vacinas e políticas governamentais é a ponta da lança em uma guerra de narrativas em andamento no Brasil e em vários países do mundo.

    Vacinas: a guerra de narrativas dos governos, da mídia e das grandes corporações contra a sociedade livreMas população está começando a perceber que estão sendo enganadas e exploradas por grandes corporações (incluindo a grande mídia) que têm trabalhado junto com governos.

    As guerras de narrativas do século 21 são sobre o indivíduo e seus direitos humanos. Será que a nossa autonomia irá sobreviver? Será que um estado autoritário será o dono de nossas crianças? Será que irão eliminar nossos direitos civis, sacrificando vidas pelo que eles consideram um “bem para a sociedade”.

    O direito humano à autonomia protege o indivíduo e as minorias mais vulneráveis de serem discriminadas, exploradas e escravizadas por um estado que deveria trabalhar em favor da moral e da liberdade.

    Será que estamos concedendo ao estado o poder de exigir que mães e pais violem suas consciências e arrisquem a vida de seus filhos para não enfrentarem punições? Que tipo de política de governo exige esse tipo de sacrifício involuntário? E que tipo de governo permite que informações sobre riscos e falhas de um produto farmacêutico livre de responsabilidade sejam censuradas e negadas às pessoas?

    Não há liberdade mais importante do que a liberdade de decidir quando e porque razão você está disposto de arriscar a sua vida ou a de seus filhos.

    Se o estado pode forçar os indivíduos contra sua vontade para serem injetados com substâncias biológicas cuja segurança é questionável, então não haverá limite para retirar qualquer outra liberdade individual em nome de um “bem maior”.

    Protestar é preciso, antes que seja tarde demais

    A opressão crescente de um estado autoritário é facilitada pela negação, apatia e medo. O pastor Martin Niemöller, opositor de Hitler na Alemanha nazista escreveu a seguinte citação, que ser aplicada muito bem aos dias atuais:

    "Quando os nazistas vieram buscar os comunistas, eu fiquei em silêncio; eu não era comunista. Quando eles prenderam os sociais-democratas, eu fiquei em silêncio; eu não era um social-democrata. Quando eles vieram buscar os sindicalistas, eu não disse nada; eu não era um sindicalista. Quando eles buscaram os judeus, eu fiquei em silêncio; eu não era um judeu. Quando eles vieram me buscar, já não havia mais ninguém que pudesse protestar."

    Este é o momento para nos levantarmos contra esta guerra de narrativas contra corporações, governos e mídia, que ameaçam destruir nossos valores e nossa liberdade. É preciso lutar para nos proteger da tirania. Devemos fazer a escolha entre viver livre ou morrer como escravos.

    Não deixe ninguém tomar de assalto a sua liberdade de pensar, falar e agir. Siga o seu coração e sua consciência.

     

    Atividade Oculta

    LEIA TAMBÉM

    PUBLICIDADE

    Para conquistar um mundo de covardes e pessoas que não gostam de pensar, basta remover a resistência.
    Siga Atividade Oculta no Instagram face icon siga Atividade Oculta na rede social Bom Perfil rumble icon

    Contato
    © Atividade Oculta

    Pesquisar