Saúde

Artigo relacionando 5G e coronavírus é removido do site da PubMed


Artigo relacionando 5G e coronavírus é removido do site da PubMedRecentemente postei aqui um documento assinado por médicos e cientistas de todo o mundo fazendo um apelo para que os governos de todo o mundo parem com a implementação da tecnologia 5G. Eles expõem inúmeros artigos científicos que comprovam os males causados pela exposição constante à radiofrequência.

No entanto governos e a mídia parecem ignorar estes dados científicos. Diversos sites de notícias e agências de checagem de fatos trabalham incessantemente para acabar com a credibilidade de qualquer pessoa que tenha opinião divergente. Está se tornando proibido questionar, mesmo que sejam apresentadas provas científicas.

O mundo ocidental sempre foi, em sua maioria, reconhecido pela liberdade. Mas agora, presenciamos grandes empresas ocidentais, como Google e Facebook definindo o que é verdade ou não e o que você pode falar ou não.

Recentemente, um artigo publicado no site da PubMed, publicado em 16 de julho de 2020, foi removido pelo editor. O artigo “5G Technology and induction of coronavirus in skin cells” (Tecnologia 5G e indução de coronavírus em células da pele) traz em seu título a relação entre 5G e coronavírus.

O artigo chegou a ser publicado, mas não durou muito, pois foi quase que imediatamente removido pelo editor. O motivo alegado foi “ Este artigo foi retirado a pedido do Editor. Após uma investigação minuciosa, o Editor-chefe retirou este artigo, pois mostrava evidências de manipulação substancial da revisão por pares “.

Não é a primeira vez que leio sobre a relação das freqüências 5G relacionadas ao coronavírus. Isso é assunto censurado em diversas plataformas da internet e ter um artigo científico relacionando estes dois assuntos e publicado no site da National Library of Medicine poderia acarretar em um problema.

Mas tudo o que é lançado na internet geralmente não pode mais ser apagado. Fiz uma breve pesquisa e encontrei o PDF do artigo. O abstract diz o seguinte:

Nesta pesquisa, mostramos que ondas milimétricas de 5G podem ser absorvidas por células dermatológicas agindo como antenas, transferidas para outras células e desempenham o papel principal na produção de Coronavírus em células biológicas. O DNA é construído a partir de elétrons e átomos carregados e tem uma estrutura semelhante a um indutor. Esta estrutura pode ser dividida em indutores lineares, toróides e redondos. Os indutores interagem com as ondas eletromagnéticas externas, movem-se e produzem algumas ondas extras dentro das células. As formas dessas ondas são semelhantes às formas das bases hexagonais e pentagonais de sua fonte de DNA. Essas ondas produzem alguns orifícios em líquidos dentro do núcleo. Para preencher esses buracos, algumas bases hexagonais e pentagonais extras são produzidas. Essas bases podem se juntar umas às outras e formar estruturas semelhantes a vírus, como o Coronavírus. Para produzir esses vírus dentro de uma célula, é necessário que o comprimento de onda das ondas externas seja menor que o tamanho da célula. Assim, ondas milimétricas de 5G podem ser bons candidatos para aplicação na construção de estruturas semelhantes a vírus, como Coronavírus (COVID-19) dentro das células.

Vale destacar o seguinte trecho:

" Essas ondas produzem alguns orifícios em líquidos dentro do núcleo. Para preencher esses buracos, algumas bases hexagonais e pentagonais extras são produzidas. Essas bases podem se juntar umas às outras e formar estruturas semelhantes a vírus. "

Isso significa que o coronavírus pode estar sendo desenvolvido dentro de células. Talvez isso não possa ser comprovado ainda, mas, pelo menos aqui no Brasil, podemos especular.

Uma notícia que parece não ter sido muito divulgada foi a de que o coronavírus foi encontrado em amostras de esgoto de novembro de 2019 no Brasil, em Florianópolis.

 

Novo coronavírus é descoberto em amostra de esgoto de novembro de 2019 em Florianópolis

 

No mesmo ano e poucos meses antes, um projeto-piloto no Brasil da tecnologia 5G passou a funcionar na mesma cidade:

 

Florianópolis recebe primeiro projeto-piloto de tecnologia 5G do país

Nós, pessoas comuns, não podemos afirmar se o 5G e o coronavírus estão relacionados. Podemos apenas especular. Mas o que percebo é uma censura cada vez mais forte sobre as pessoas que discordam ou que enxergam estes problemas sob um ponto de vista diferente.

Se o artigo em questão  é de fato infundado ou contém erros, poderia ser facilmente refutado. Então porque foi simplesmente apagado?

A ciência é feita com discussão e estudos de diferentes pontos de vista. Quando apenas um lado é aceito como verdade, não pode ser considerada ciência e sim religião.

Para quem desejar ver o artigo (em inglês) removido do site da PubMed, deixo o link aqui.

 

Édson de Oliveira

 

Para conquistar um mundo de covardes e pessoas que não gostam de pensar, basta remover a resistência.

Sobre  |  Siga no Facebook  |   Contato
© Atividade Oculta

Pesquisar