HISTÓRIA

    O Templo de Salomão

    O Templo de Salomão era um lugar real?


    Muitos arqueólogos têm procurado evidências para apoiar ou refutar as antigas histórias bíblicas sobre Israel. Mas o Primeiro Templo em Jerusalém - e seu construtor, o Rei Salomão - permanecem envoltos em mistério.

    O templo do rei Salomão foi o primeiro templo construído pelos israelitas para honrar seu deus, a Bíblia nos diz. É também onde se diz que o povo judeu manteve a mítica Arca da Aliança com os 10 Mandamentos. Mas o templo de Salomão era realmente um lugar real?

    Rei Davi, Rei Salomão e o Primeiro Templo

    Salomão era filho do Rei Davi, a figura bíblica que matou Golias. A tradição diz que quando Davi morreu, Salomão herdou o reino de seu pai e sua extraordinária riqueza. Em apenas quatro anos, Salomão reuniu esses recursos e construiu o Primeiro Templo.

    Tudo o que os historiadores sabem sobre o chamado “Primeiro Templo” vem da Bíblia. Felizmente, ela oferece uma descrição surpreendentemente detalhada de como era o templo do Rei Salomão - incluindo suas supostas dimensões exatas. De acordo com a Bíblia, o templo foi construído com blocos de pedra extraídos magistralmente, com um telhado e interior revestido com pranchas de madeira luxuosas. Salomão usou ouro puro para cobrir o santuário sagrado interno do templo, onde também colocou um par de querubins de ouro de 4,5 metros de altura - esfinges - para guardar a Arca da Aliança.

    No entanto, nem uma única pedra dessa estrutura foi encontrada, apesar de mais de um século de busca por conexões entre o texto bíblico e as evidências do local de escavação. Os arqueólogos simplesmente continuam de mãos vazias.

    Isso é surpreendente, considerando a escala do suposto império de Salomão. O Primeiro Templo foi concluído no ano 957 a.C., levando a Bíblia ao pé da letra. Na cronologia da história antiga, isso ocorreu vários séculos após a lendária Guerra de Tróia e dois séculos antes da mítica fundação de Roma. E de acordo com a Bíblia, o Primeiro Templo durou cerca de 400 anos antes que o rei babilônico Nabucodonosor o destruísse e mandasse os judeus para o exílio. O Segundo Templo não seria concluído até o século VI, quando os judeus foram autorizados a retornar.

    Apesar da destruição, é fácil ver por que os arqueólogos podem esperar encontrar vestígios de uma estrutura tão grande e antiga.

     

     

    O Rei Salomão

    A Bíblia descreve Salomão como um governante sábio e grande construtor que viveu no auge do reino de Israel. Também diz que ele tinha um palácio luxuoso, um grande exército e um império que incluía todo o Israel. No entanto, não há evidências arqueológicas de que o homem Salomão existiu. Apesar de viver em uma época em que provavelmente os escribas já estavam escrevendo a Bíblia, nenhuma inscrição na grande região leva seu nome. Isso não deixa claro aos arqueólogos se o terceiro rei de Israel era real ou se parecia mais com outros governantes lendários da história, do rei Artur na Grã-Bretanha a Rômulo, o suposto fundador de Roma.

    Uma coisa que ajudaria, seria se os arqueólogos encontrassem algumas evidências contemporâneas da existência de Salomão fora da Bíblia. Tal achado pode ajudar a sustentar toda a história bíblica. Um sinal potencial de esperança apareceu em 1993. Os pesquisadores estavam cavando em um local chamado Tel Dan no norte de Israel, quando a arqueóloga Gila Cook, do Hebrew Union College, avistou uma grande pedra coberta com escrita aramaica - um parente arcaico do hebraico. No texto sobre a pedra, agora conhecido como a estela de Tel Dan, um rei arameu registra um conflito com os reis de Israel e proclama vitória sobre a "Casa de Davi". A Tel Dan stele provavelmente data de mais de um século após a morte do rei Salomão; no entanto, fornece algumas evidências de que Davi pode ter sido uma pessoa real. Os arqueólogos ainda estão escavando no local hoje.

    E na última década, algumas outras pistas potenciais tentadoras começaram a surgir.

    Em 2010, uma equipe de arqueólogos liderada por Eilat Mazar da Universidade Hebraica de Jerusalém disse que descobriu um segmento de parede monumentalmente grande enquanto cavava na parte mais antiga de Jerusalém em busca do palácio do Rei Davi. As descobertas no local, chamado Ophel, incluíam uma seção de parede de aproximadamente 210 pés de comprimento, completa com uma portaria, torre de canto e uma estrutura real. As características eram tão grandes que os pesquisadores se convenceram de que era apenas uma parte de um edifício realmente enorme. A datação do lugar foi controversa, mas algumas datas de radiocarbono colocaram o local bem no meio do reinado de Salomão. “Esta é a primeira vez que uma estrutura daquela época foi encontrada e pode se correlacionar com as descrições escritas da construção de Salomão em Jerusalém”, disse Mazar na época.

    Outros pesquisadores não têm tanta certeza.

    Tel Megiddo, agora um Patrimônio Mundial

    Tel Megiddo, agora um Patrimônio Mundial, era uma cidade importante no antigo Reino de Israel. Cientistas fizeram extensas escavações na área em busca de sinais do governo do rei Salomão. Até agora, eles só encontraram evidências de épocas posteriores. (Créditos: Avram Graicer)

    O Templo de Salomão

    Há uma longa história de arqueólogos que procuram - e até afirmam ter descoberto - sinais do poder de Israel durante a época do Rei Salomão. Em um ponto, quase um século atrás, os escavadores disseram que descobriram os estábulos de Salomão em um local chamado Megiddo, o foco da história bíblica do Armagedom. A Bíblia diz que Megiddo e duas outras cidades eram usadas para abrigar os cavalos e cavaleiros de suas carruagens lendárias. No entanto, as escavações em anos mais recentes não conseguiram encontrar qualquer evidência de ossos de cavalo ou outros sinais óbvios de uma cavalaria. Na verdade, não há nenhum sinal do Israel de Salomão até agora.

    Outros pesquisadores procuraram as fabulosas minas de Salomão. Isso teria sido vital para garantir os minerais preciosos e as riquezas necessárias para construir o Primeiro Templo. Muitos vieram de mãos vazias. Mas em uma pesquisa publicada em 2017, os arqueólogos disseram que encontraram evidências de uma extensa e antiga mineração de cobre em uma parte próxima da Jordânia. O período de tempo parece coincidir, e se Israel detinha o controle da área naquela época, poderia ter sido uma fonte importante de minerais e riqueza.

    Além dos achados arqueológicos, os historiadores bíblicos encontraram outras razões para duvidar das histórias tradicionais de Salomão.

    Para começar, o texto contém uma série de afirmações fantásticas. Ao longo de sua vida, a Bíblia diz que Salomão se casou com cerca de 700 esposas e 300 concubinas, um número que amplia a imaginação. Uma dessas esposas também era conhecida como "a filha do Faraó". No entanto, os registros egípcios não preservam tal matrimônio. E alguns estudiosos dizem que os faraós eram notoriamente indispostos a casar suas filhas por medo de perder o poder.

    Mas talvez a afirmação mais duvidosa é que Salomão tinha impressionantes 1.400 bigas, sugerindo um exército grande o suficiente para rivalizar com outras grandes civilizações. Deixando de lado a falta de evidências físicas dos estábulos de Salomão, uma inscrição de vitória na guerra e a própria Bíblia afirmam que o Faraó egípcio Shishak conseguiu conquistar Israel, saquear Jerusalém e roubar todos os tesouros do Primeiro Templo apenas cinco anos após a morte de Salomão. A velocidade da campanha sugere uma vitória fácil, o que parece improvável se o antigo império israelense realmente tivesse tanto poderio militar na época.

    As afirmações exageradas levaram alguns estudiosos da Bíblia a sugerir que a força de Salomão foi inventada por historiadores muitos séculos depois como uma forma de colocar sua civilização no mesmo nível de outros grandes reinos.

    Projeto de Peneiração do Monte do Templo

    O Projeto de Peneiração do Monte do Templo usou centenas de milhares de voluntários por muitos anos para separar os escombros recuperados de um projeto de construção no Monte do Templo. (Crédito: Wikimedia Commons)

    Evidência Arqueológica para História Bíblica

    No final das contas, o maior obstáculo para encontrar o templo do Rei Salomão também vai direto ao ponto de por que ele é tão interessante para nós em primeiro lugar. O reino de Israel acabaria por remodelar a cultura e as religiões do mundo. E o Monte do Templo na velha Jerusalém, lar tanto do Primeiro quanto do Segundo Templo, é talvez o local mais sagrado da chamada Terra Santa. Por milhares de anos, líderes religiosos judeus, muçulmanos e cristãos construíram novas estruturas na área, enterrando os antigos locais sagrados com novos.

    Os cristãos acreditam que Jesus visitou o Monte do Templo, que então abrigava o Segundo Templo, e criticou as figuras religiosas do dia anterior, supostamente predizendo que o local seria destruído. E na fé islâmica, o Monte do Templo é onde o Profeta Muhammad ascendeu ao céu. É também o local da Cúpula da Rocha, um dos edifícios islâmicos mais antigos do mundo, construído ao longo do Segundo Templo séculos depois de ter sido destruído pelos romanos em 70 d.C.

    Se quaisquer vestígios do templo do Rei Salomão ainda existem, eles estão enterrados sob muitas camadas de história politicamente carregada. Toda a atividade e história religiosa entrelaçada tornam impossível cavar aqui.

    Estranhamente, esse mesmo enigma também ofereceu a única exploração arqueológica extensa já permitida. No final da década de 1990, Waqf, o consórcio islâmico encarregado de supervisionar os locais sagrados muçulmanos no Monte do Templo, iniciou a construção de uma nova e grande mesquita em um local chamado Estábulos de Salomão. (O local provavelmente data de séculos após a morte de Salomão e foi usado para armazenar cavalos durante as cruzadas).

    Em vez de obter as licenças necessárias e realizar uma escavação arqueológica necessária, Waqf simplesmente usou equipamento pesado para demolir estruturas antigas e remover grandes quantidades de sujeira. Anos antes do evento, tiroteios começaram mesmo depois que palestinos disseram que as escavações feitas por autoridades judaicas estavam danificando locais sagrados muçulmanos.

    O que quer que tenha desencadeado o movimento descarado, dezenas de caminhões de rico material arqueológico foram para um lixão, onde se misturaram com o lixo moderno. Os arqueólogos, graças a um clamor público, conseguiram fazer com que várias centenas de caminhões de material levados a um parque nacional para serem examinados. Nos anos seguintes, o Projeto de Peneiração do Monte do Templo contou com centenas de milhares de voluntários, incluindo muitos turistas, para vasculhar a sujeira.

    O Projeto de Peneiração do Monte do Templo conseguiu descobrir alguns dos primeiros artefatos reais conhecidos até a época do Primeiro Templo. Suas descobertas incluem um selo hebraico com nomes menos conhecidos encontrados na Bíblia, bem como ossos de animais e cerâmica. Grande parte da sujeira ainda não foi removida, mas as evidências até agora também sugerem uma descoberta mais óbvia. Seja qual for a verdade sobre o Templo de Salomão, ele provavelmente está enterrado sob o Monte do Templo e pode nunca ver a luz do dia.

     

    Referência: Discover Magazine

    LEIA TAMBÉM

    PUBLICIDADE

    Para conquistar um mundo de covardes e pessoas que não gostam de pensar, basta remover a resistência.
    Siga Atividade Oculta no Instagram face icon siga Atividade Oculta na rede social Bom Perfil rumble icon

    Contato
    © Atividade Oculta

    Pesquisar